Comoção marca velório de Corrinha, ícone do Cafuçu; confira trajetória da foliã

Comoção marca velório de Corrinha, ícone do Cafuçu; confira trajetória da foliã

- Categoria: Paraiba
A risada que ninguém vai esquecer, as fantasias que se destacavam e eram inconfundíveis no meio da multidão, Cocorro Mendes, a famosa “Corrinha” musa de um dos blocos de maior tradição na cidade de João Pessoa,o cafuçu, partiu nesta quarta-feira (10).
 
Ela nasceu no dia 4 de de junho de 1953 na cidade de Nazarezinho na Paraíba, era uma das mais novas entre 13 irmãos, sendo 7 homens e 6 mulheres. Estudou no colégio primário Nossa senhora de Lourdes e sempre foi considerada uma aluna dedicada.
 
Aos seis anos foi morar em Cajazeiras onde passou a adolescência e o começo da fase adulta. Com 24 anos mudou para João pessoa com o objetivo de se dedicar aos estudos. Cursou e se formou em história na Universidade Federal da Paraíba.
 
Daí então começou a atuar como professora em escolas da Capital, até se aposentar.
 
Ficou famosa na sociedade paraibana ao integrar a comissão do Cafuçu. Aliás, o bloco e o carnaval eram a grande paixão dela.
 
Corrinha foi diagnosticada com um câncer na boca no ano passado, desde o dia que descobriu vinha em tratamento, passou por cirurgia e quimioterapia, e estava tentando se recuperar.
 
No dia 02 de Janeiro a situação se agravou e ele foi internada as pressas no Hospital Universitário Lauro Wanderley, mas devido as complicações da doença faleceu no começo da noite de quarta-feira dia 10.
 
Mesmo no leito do hospital ela não esquecia do carnaval e se programava para desfilar, já que estamos as vésperas do folia de rua.
 
Perda irreparável, triste, que vai deixar um vazio imenso para amigos, foliões e principalmente para a família.
 

Mas as boas lembranças nunca serão esquecidas, Corrinha nos deixou aqui na terra, foi fazer carnaval no céu. A foliã que não tinha filhos deixa um monte de amantes do carnaval órfãos e um grande legado.

O velório de socorro Mendes foi realizado na funerário são João Batista em Tambiá e o sepultamento acontece às 4 da tarde no cemitério Jardim Mangabeira, no José Américo.

Deixe uma Resposta